domingo, setembro 21, 2014

Como é isso?

O que será?
O que será que ela tem?
Qual o problema?
Demais?
De menos?
Não pode?
Sei lá.
Não consegue estabelecer.
E prepara tudo para os outros.
Ajuda-os.
Compreende-os.
Aconselha-os.
E dá certo.
Com os outros.
Mas, com ela...
Tentou duas vezes.
Faliu.
Foi odiada. Acho que ainda é.
Uma grande incógnita.
O que será?
O que será que há com ela?
Ou não há?

sábado, setembro 13, 2014

...





...




                                                                         

quarta-feira, agosto 27, 2014

Amanhece com sol.
E a cabeça dela cheia de sonhos, imagens cheias de possíveis significados e muitas soluções a encontrar para o dia a dia.
Exercícios para tentar espairecer e algumas dores pra ajudar a pensar que a vida é assim, cheia de altos e baixos.
Crise financeira, mas, o mais complicado é a cabeça e todos os pensamentos que a povoam...
São tantas as coisas...
Às vezes fico imaginando como ela consegue.
Ás vezes são só problemas de rotina e que logo chegam a uma solução, é só manter a tranquilidade e o pensamento positivo.
A solidão tem ajudado bastante.
Tudo é uma questão de viver e planejar o que se quer.

sexta-feira, agosto 15, 2014

Será?

E será que algum dia vão ler tudo aquilo que ela escreve naqueles diários?
Ela nem é importante, nem nada...
Será que, se alguém ler, vai achar interessante? triste? ridículo? besta? ou engraçado?
Nunca se saberá, afinal, será mesmo que alguém vai ler?
Biografias são diferentes de diários.
Biografias podem ser verdadeiras histórias sobre alguém e seus feitos, porém também podem conter mentiras para envaidecer o biografado.
Diários... bem, são pequenos contos, às vezes algumas ironias, explosões de raiva que nem exprimem de verdade os sentimentos profundos.
Mas, os diários são sim, sentimentos, momentos significativos. Tanto que valeram a pena escrevê-los.
E ela, se pôs sempre a escrever. Às vezes coisas absurdas, segredos nunca ditos, achismos fantasiosos, opiniões secretas, notícias nunca anunciadas, palavras nunca proferidas aos seus respectivos destinatários...
Ah ! os diários.
São pérolas independentemente de seus autores, sejam eles ilustres ou anônimos.
Mas...
Será?