sábado, abril 18, 2015

40 e mais.

Parece que depois dos 40 a vida muda um pouco.
A vida não, o que fazemos dela.
A ideologia já não é mais a mesma de antes, a experiência de como se existiu até hoje vai moldando o pensamento, as opiniões, quebrando preconceitos e construindo outros tantos.
Os desejos são mais simples, porém mais arrojados, seletismo entra em voga e você já não come qualquer coisa com qualquer pessoa.
Na cronologia da idade, os 40 e mais é um período muito bom de se vivenciar: nem bobinha e nem velhinha.
Toma-se tento do corpo que se tem, têm-se certeza do que quer e pouco se preocupa com o que vão pensar os outros. Bem, falo daquelas que não ligam para o alheio, para as aparências, para os modismos.
Simplesmente se é!
Fica-se à vontade com o seu próprio ser. Sim, para aquelas que não são escravas de se mesmas.
A arte fica cada vez mais bela, as pessoas cada vez mais transparentes e previsíveis dentro de uma normalidade de ser humano, claro.
Por outro lado, toda essa autoconsciência assusta os outros.
É uma pena... Será que é muita presunção pensar assim?

domingo, abril 12, 2015

A vida como ela é.

Paciência é de fato uma grande virtude.
Enquanto a vida segue, acontecimentos vão desenhando um tempo de precisar ter muita paciência, jogo de cintura, tolerância, um grande respirar fundo.
O corpo acusa o stress.
A cabeça dá muitas voltas pensando e sonhando loucuras, lugares e pessoas nunca vistos ou vividos.
Sim! a paciência é uma virtude.
Ao mesmo tempo que o quadro parece desagradável, não o é!
Afinal tudo na vida tem um jeito, uma solução, uma saída.
Na morte tem-se que cuidar da alma e da evolução do espírito, é outra a caminhada.
Enquanto isso, vai-se boicotando aqui e acolá. Vai-se planejando errado aqui e por ali, vai-se vivendo meia boca, quando poderia ser bem melhor.
Escolhas, escolhas.

sexta-feira, abril 03, 2015

És o senhor da existência. A história

O tempo ajuda a levar embora a vida, sem antes deixar as marcas de lições e lembranças.
Sim, a vida é bela!
As transformações vão ocorrendo e quando são vistas as fotos...
Quanta mudança de vida, de ideal, lugares, pontos de vista.
Quantos acontecimentos que forçosamente vieram no meio da vida para mudar rumos, desejos e sonhos.
Hoje, reunida as pessoas de antigamente e lembrando as ausentes são muitas as histórias, segredos jamais revelados e juras nunca concretizadas.
Ah... os meus velhos tempos!!!
É assim que se lembra as coisas boas, dificuldades e sucessos. As lições que à época foram tão traumatizantes, hoje são lições de educação necessárias para a formação do caráter!!
Cabelos brancos, arrependimentos e ainda as perguntas:
O que sou?
O que quero?
O que fiz até hoje?
Eternas perguntas.
Mesmo quando se tiver 80 anos.

terça-feira, março 31, 2015

Bandeira branca

O corpo trai quando adoece.
As forças fogem, as defesas caem e a luta fica mais difícil.
A mente briga com o restante do organismo.
"Porque você resolveu ficar assim, corpo?"
"porque você me agrediu, oras..."
Sim, nós nos agredimos com alimentos maléficos, bebidas inapropriadas, costumes desordenados.
Nos agredimos e mesmo tendo a consciência disto continuamos a nos agredir.
Masoquismo esquisito, este...

domingo, março 29, 2015

Passado no passado.

...Foi procurar coisas e acabou se deparando com o passado.
E uma sensação boa de superação e de que o passado está lá mesmo, no passado.
Sensação boa de não querer seguir em frente, de sentir-se livre, desapegada e de certa forma até aliviada.
Sentimento de evolução, progresso de maneira geral.
Com ou sem riqueza de vocabulário, o bem estar não tem palavras.
Continua seguindo...

quarta-feira, março 18, 2015

A Colheita

Nada mais verdadeiro do que o que escreveu Mário Quintana:
"O segredo não é correr atrás das borboletas, é cuidar do jardim para que elas venham até você."

A gente colhe o que planta.

Hoje foi percebido o milagre da natureza no jardim: O jasmineiro que antes era tolhido pela comigo ninguém pode, passou a respirar, se soltar e começar a florescer seu perfume doce através de suas pequenas flores brancas, suaves como um veludo, delicadas como um bebê.

Sim, a comigo ninguém pode é de fato uma planta forte, robusta e com ela ninguém pode mesmo.

A natureza é perfeita. 

Dedico o jasmineiro que plantei no canteiro do jardim da casa dos meus avós maternos a eles mesmos.

Hoje, ao aguar as plantas, pude sentir seu cheiro doce e delicado, quase comestível, como se fosse uma bala gostosa desejada pela criança.

Sensação igual não há ao ver e perceber que tuas mão plantaram uma flor tão doce e meiga e ela vingou, persistiu num solo inicialmente castigado e junto a uma planta que não a deixava respirar por meses. Agora, finda a tortura, ele brota sua flores e seu perfume como que em agradecimento pelo alívio e pelo cuidado que recebeu.

Sim, estou na mesma situação. Sou a jasmineira que persiste e insiste em solo árido. As borbboletas estão a caminho!